Dueck: "O que você acha do atendimento de vendas no Brasil?"
17/04/2013


Eu acompanho bem de perto esse assunto e, há muitos anos, tenho pesquisado entre todas as categorias e segmentos o atendimento de vários profissionais. E, infelizmente, não sei se podemos intitulá-los como tais, de acordo com o que estou visualizando.

 
Acho que o Brasil vive hoje a maior falência na formação desses profissionais.


Mesmo o Brasil crescendo abaixo de nossas metas, todos nós sabemos que já não tínhamos estruturas capazes de suportar um possível crescimento que poderia vir à tona.

 
Agora então, nesses últimos anos, o Brasil cresceu o suficiente para que constatássemos, de fato, esse problema.

 
Tenho duas preocupações: a primeira é do comprador mal informado, não conhecedor de seus direitos, mas que cobra cada vez mais personalização e exclusividade, sem saber bem do que e de que forma as deseja.

 
Do outro, o profissional que foi jogado no mercado, sem formação, sem treinamento, com metas agressivas, buscando convencer esse cliente que este seria o padrão de atendimento ideal. E eu pergunto: qual?

 

Com certeza ninguém sabe que padrão é esse, e se ao menos existe.

 
Como todos os setores da economia, fiscal e outros, vamos viver nos próximos 2 anos uma padronização, ou ao menos um conceito mais adequado à essas mudanças.

 
A empresa e/ou o profissional que não entender que precisa ser treinado e/ou treinar sua equipe, não vai conseguir estabelecer um padrão mínimo de atendimento, muito menos estabelecer uma relação próxima ao cliente, fidelizando-o e desenvolvendo ações de CRM com ele, estando assim fadado ao fracasso por curto espaço de tempo.

 
Talvez tenhamos que começar de novo, onde o “Seu Joaquim” e/ou a “Dona Maria”, voltem a atender no balcão. E pasmem: isso pode ser vintage, afinal, está na moda! Claro que estou sendo irônico, mas, para o atendimento personalizado que todos esperam, algo precisa ser feito e disseminado rapidamente.

 

Aliás, sabe qual é o grande segredo por onde podemos iniciar essa transição? Melhorando o atendimento. Isso chama-se ATENÇÃO com as pessoas.

 

 

 

Dueck Facco: Comentarista e Jornalista